Este relato não indica que percorri o melhor caminho, mas o caminho que percorri para passar em 5 concursos federais de nível superior entre o segundo semestre de 2005 e meados de 2008.

Era dezembro de 2003, eu era Diretor de Planejamento, Orçamento e Finanças da Justiça Federal do Paraná, e fazia 13 anos que não estudava para concursos, quando alguns acontecimentos, na família e no trabalho, me levaram a decisão de voltar a estudar para concursos.

Comecei a estudar em janeiro de 2004 no período de férias, mas enquanto fui Diretor o tempo para estudos era muito pouco. Resolvi, então, de comum acordo com a Direção Geral da Justiça Federal do Paraná, que abriria mão de meu cargo de Diretor em final de junho de 2005 para me dedicar aos estudos e a novos horizontes.

Abri mão do cargo, vendi o carro para ter disponibilidade financeira, montei um local de estudo em casa (com mesa e iluminação adequada) e dei continuidade aos estudos. A partir de julho de 2005 com muito mais determinação.

Muitos desaprovaram minha atitude, mas de uma coisa eu tinha certeza: só dependia de mim – e se dependesse de mim eu iria fazer acontecer.

Todo dia eu levantava cedo (o primeiro ano as 7:00hs, depois passei a levantar 5:50), estudava até 10:30 e ia trabalhar na Justiça Federal.

Nos finais de semana estudava das 6:00 as 18, 19, 20hs. Eram os dias em que conseguia avançar nos estudos, conseguia estudar uma matéria completa, e o que tinha ficado confuso no início ia clareando no meio ou no fim.

No início não entendia nada, mas sabia que em breve iria entender. Comecei a responder provas (errava bastante). Então percebi que:

1-O material que eu dispunha era insuficiente;
2-Parte desse material era inadequado (ensinava errado).

Acreditem, essa foi minha maior dificuldade: selecionar material de qualidade para estudar – muitos livros e apostilas eu comprei, comecei a ler e em seguida rasguei e joguei fora porque não eram claros/objetivos ou não estavam de acordo com as questões cobradas em concursos.

Eu sempre tinha – ao menos – uma boa apostila de matéria cheia e um livro consagrado da matéria. Em direito constitucional estudei: constituição seca, apostila da Proconcurso e livro do Alexandre de Morais. No último ano estudei também pelo livro do Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino.

Durante os primeiros meses virei motivo de chacota, até dentro de minha própria casa (onde já se viu largar um cargo de Diretor para estudar para concurso – você não vai passar – vai se arrepender, etc), mas eu continuava estudando forte.

Não demorou muito, e os resultados começaram a aparecer: 6º colocado para Analista Administrativo TRE-SC/2005; 16º para Analista de Finanças e Controle da CGU-Região Sul/2006; 3º para Analista de Orçamento do MPU-PR/2007; 2º para Analista Administrativo TRE-PR/2007. Em 2008, sem pretensão e sem estudar as novas disciplinas cobradas, fiz novamente o concurso de Analista de Finanças e Controle da CGU-Nacional; obtive a colocação 88 na prova objetiva e com a discursiva caí para 103, mesmo assim fui convocado para assumir o cargo em julho de 2009, mas preferi ficar em Curitiba.

>Eu não fiz cursinhos preparatórios, mas reconheço que eles são bons e ajudam muito o aluno, mas eles focam somente a matéria que consta no edital – e você precisa saber mais que isso para passar no número de vagas.
>Eu sempre estudei “matéria cheia” e não apenas os tópicos do edital. Eu estudava os livros completos do começo ao fim, e não apenas parte deles.
>Eu fazia uma relação de todas as matérias nas áreas que focava: poder Judiciário e Controle. >Estudava todas e ao final respondia uma bateria de exercícios para avaliar minha evolução (todas as questões que errava eu voltava para verificar porque tinha errado).
>Estudava em média 200 horas por mês. Toda manhã até a hora de ir trabalhar, todo final de semana, todos os feriados, todas as férias e mais em períodos como natal, páscoa, ano novo e carnaval (reconheço que isso foi exagero).
>A cada período de 45 a 60 dias conseguia revisar toda a matéria e com exercícios.

Penso que o ideal seria começar com um cursinho (ou ao menos com a orientação de um professor), continuar estudando bastante em casa, e quando sair o edital, ir para o cursinho fazer a revisão da matéria, tirar dúvidas e aprender dicas de resolução de provas.

Na hora da prova Deus ajudará a lembrar daquilo que você estudou, apenas.

Forte abraço a todos e bons estudos!